quarta-feira, 16 de maio de 2018

Passeio de reconhecimento de plantas medicinais nos jardins da Gulbenkian. Lisboa, dia 23 de maio.

 https://gulbenkian.pt/descobrir/atividade/farmacia-no-jardim-percursos-plantas-medicamentos-2/

                                              "Uma farmácia no jardim" 

Venha conhecer o grande e perfumado Pilriteiro, os alecrins, tomilhos, trevos, madressilvas, dente-de-leão, teixos,  vitex e violetas, rosas e romãs, pinheiros e bétulas e tantas outras susrpresas que se nos irão revelar com a sua multiplicidade de utilizações.





https://gulbenkian.pt/descobrir/atividade/farmacia-no-jardim-percursos-plantas-medicamentos-2/

domingo, 13 de maio de 2018

Para que nasçam papoilas nas ondas











Assim numa espécie de compreensão e defesa de tudo o que está em constante mudança, aqui deixo a "mesma foto de ontem" só que tirada hoje em horas diferentes, marés diferentes e papoilas que já não estão. Ontem declaravam desconhecer o seu futuro.O seu futuro era desfolhar-se e deslizar pela falésia ou talvez elevar-se nos ares e tornar-se gaivota ou nuvem, amadurecer e lançar sementes ao mar, quem sabe algum dia nasçam papoilas nas ondas.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Plantas medicinais, Passeios e workshops. Brevemente. Alfragide, Gulbenkian, Sintra, Viana de Castelo e Londres




Dia 12 de maio Festa dos maios, Quinta do Pisão, passeio de reconhecimento de plantas Medicinais e ervas silvestres comestíveis, 14h, 5€
Dia 13 de maio Passeio Greentrekker 10h Quinta da Ribafria- Sintra 15€
Dia 18 de maio Fornos de Algodres 18h Biblioteca municipal Workshop






Dia 21 Alfragide Passeio Conhecer as ervas e árvores do bairro 19h



Dia 23 Passeio de reconhecimento de plantas medicinais nos jardins da Gulbenkian 17h
Dia 25 Passeio de reconhecimento de Plantas e árvores medicinais na Quinta da Ribafria no encontro de Alternativas 18h Grátis
Dia 26 Viana do Castelo 15h Workshop sobre flores e ervas silvestres comestíveis 15h 12€




quarta-feira, 9 de maio de 2018

Borragem para a coragem. Alecrim para a memória. Alfazema para relaxar

Plantas para combater o stress e a ansiedade.


Alfazema em infusão, colocando um pouco perto da cama para ajudar a ter um sono mais descansado



Erva-cidreira, muito eficaz como relaxante do sistema nervoso e digestivo, especialmente
 recomendado em casos de indigestão e náuseas causadas por nervosismo


Flor de maracujá
Excelente relaxante dos sistema nervoso.
Combate insónias.



Flor de laranjeira
Excelente relaxante dos sistema nervoso. Combate insónias.

Borragem. Infusão das flores ou ingestão de capsulas do óleo das sementes, ricas em omega 3.
apoia e fortalece o sistema nervoso tal como a aveia em alcolatura, em infusão ou em papas.



Pilriteiro, excelente para combater a ansiedade e os ataques de pânico




Tília Relaxa do sistema nervoso e combate insónias.

Camomila Relaxante do sistema nervoso e digestivo




Plantas úteis para as cordas vocais.
Perpétua roxa

Plantas úteis para a rouquidão Chá de casca de cebola
Plantas para tratar vários tipos de dores de garganta: salva e calêndula juntas e também amores-perfeitos





Plantas úteis para a memória e a concentração ALECRIM



sábado, 28 de abril de 2018

Alerta para a importância e urgência em proteger as abelhas contra alguns produtos químicos, e os outros, fazem bem? Claro que não.

Mais um estudo científico (coo se fosse necessário). Um grito de alerta contra os quimicos que matam abelhas. Em que produtos se encontram esses químicos?? com certeza que no glifosato também há-de haver, se não forem estes  serão outras igualmente incapacitantes para a vida das abelhas, joaninhas, borboletas, pessoas.

Estas são algumas das flores favoritas das abelhas aqui no meu quintal.

Equinacea pupurea

flor de maracujá passiflora sp


Calendula oficinallis


Lúcia-lima ou Lippia citriodora
melilotus oficinallis

Cosmos

Anho-casto ou Vitex agnus-castus


Urze Erica sp


Herbícida num terreno com ervas  "daninhas comestíveis"

quinta-feira, 26 de abril de 2018

quarta-feira, 25 de abril de 2018

NASCI PARA TE NOMEAR LIBERDADE





LIBERDADE

Nos meus cadernos de escola
Na minha carteira e nas árvores
Nos areais e na neve
Escrevo o teu nome

Em todas as páginas lidas
Em todas as páginas brancas
Pedra sangue papel cinza
Escrevo o teu nome

Sobre as imagens douradas
Nos estandartes guerreiros
Tal como na coroa dos reis
Escrevo o teu nome

Nas selvas e no deserto
Nos ninhos e nas giestas
No eco da minha infância
Escrevo o teu nome

Nas maravilhas das noites
No pão branco dos dias
Nas estações enlaçadas
Escrevo o teu nome

Nos meus farrapos de azul
No pântano sol alterado
No lago luar vivente
Escrevo o teu nome

Nos campos do horizonte
Sobre umas asas de pássaro
Sobre o moinho das sombras
Escrevo o teu nome

Em cada sopro de aurora
Na água do mar e nos barcos
Na serrania demente
Escrevo o teu nome

Na clara espuma das nuvens
Nos suores da tempestade
Na chuva insípida e espessa
Escrevo o teu nome

Nas formas resplandecentes
Nos sinos de muitas cores
Sobre a verdade da física
Escrevo o teu nome

Nas veredas bem despertas
Nos caminhos descerrados
Nas praças que se extravasam
Escrevo o teu nome

Na lâmpada que se acende
Na lâmpada que se apaga
Nas minhas casas unidas
Escrevo o teu nome

No fruto partido em dois
do meu espelho e do meu quarto
Na cama concha vazia
Escrevo o teu nome

No meu cão guloso e meigo
Nas suas orelhas erguidas
Na sua pata sem jeito
Escrevo o teu nome

Na soleira desta porta
Nos objectos familiares
Na língua de puro fogo
Escrevo o teu nome

Em toda a carne que tive
Na fronte dos meus amigos
Em cada mão que se estende
Escrevo o teu nome

Na vidraça das surpresas
Nos lábios que estão atentos
Muito acima do silêncio
Escrevo o teu nome

Nos meus refúgios desfeitos
Nos meus faróis aluídos
Nas paredes do meu tédio
Escrevo o teu nome

Na ausência sem desejo
Na solidão despojada
Na escadaria da morte
Escrevo o teu nome

Sobre a saúde refeita
Sobre o perigo dissipado
Sobre a esperança esquecida
Escrevo o teu nome

E pelo poder da palavra
Recomeço a minha vida
Nasci para te conhecer
Nasci para te nomear

Liberdade

                        Paul Éluard (França, 1895-1952)